quinta-feira

Ao primeiro olhar!...

"Leu-lhe a nudez da alma. Só o amor tem a limpidez das coisas nuas. Sentiu uma fatal absorção do seu ser no ser daquela mulher. Amou-a subitamente, com um amor intenso e absorvente, que lhe deu asas à alma e o levaria para além das incertezas de muitas ondas adversas de um mar imprevisto. O desejo queimou-lhe a boca húmida, como se desde sempre nada quisesse dela e exigisse tudo. Onde estivera escondido aquele sentimento animal, danado e forte que lhe transbordava o desejo?
- Viste alguma coisa, Bobo? Viste, meu aranhiço de gente?
Mas o bobo fez-se de desentendido.
- Clarimundo, meu safado, viste alguma coisa. Não viste o Colo da Garça?
E o Bobo apercebeu no infante aquele ar alfeiro, de vaga longa e forte a levantar a espuma ao voo das gaivotas e ao destrambelho da vida.
- É mais do que ave a voar ao longe. É mais do que o mar imenso , senhor. Não se sabe o que olhamos. Se o que temos dentro se o fantasma de nós próprios."

Luís Rosa in, "O amor infinito de Pedro e Inês"

E depois....os interesses, a família e sua corte a rasgar o infinito deste amor!... Persiste um amor assim além disto tudo?!... Além da morte?!...Além do infinito!...

6 comentários:

Anónimo disse...

Persiste?

Beijo.........
maria

Maria disse...

Desculpa, marias, acho que estou msmo em "noite" não...

Um beijo, apertadinho...

Maria Luar disse...

só o amor tem a limpidez das coisas nuas. aqui há amor límpido e ambiente sereno.
abracinho

Anónimo disse...

O amor quando é grande resiste a tudo, até ás intempéries. Às vezes quando mais querem afugentá-lo mais ele se fortifica. A prová-lo está o amor de Pedro e Inês de Castro que não acabou quando o rei, Afonso IV afastou Inês do Infante mandando-a para Espanha. Depois mandou matá-la e nem a morte afastou a sua amada do seu coração. Após a morte do rei, seu pai, D.Pedro, já rei de Portugal mandou executar os carrascos de Inês e ainda louco de dor mandou fazer a trasladação do seu corpo e coroar Inês rainha de Portugal.
Para todo o sempre!...

Conheço o livro de onde retiraste o texto e gostei muito de o ler.

:-))

multiolhares disse...

O amor jamais morre,ele vive
na eternidade, faz parte das leis de Divinas


***
luna

Fernando Pinto disse...

«(...) Só o amor tem a limpidez das coisas nuas...

Lindo, lindo!

Sempre gostei do nome Inês, que significa "casta", "pura". Nasci na véspera de S. Pedro e, por isso, esse nome também me diz muito. A minha filhota, de 3 aninhos, chama-se Inês Margarida. Fui estudante na Universidade de Coimbra (Direito e Jornalismo) e ali, nas margens do Mondego e na Quinta das Lágrimas, fiquei apaixonado definitivamente pela nossa maior história de amor...

Obrigado pela partilha...

Beijinhos,
FMOP